• 11/10/2022
  • Produtos

Óleo do motor sem óleo?

Porque é que os óleos de motor ficam cada vez mais fluidos e, a dada altura, o óleo de motor pode já não conter óleo

O desenvolvimento leva a óleos de motor cada vez mais fluidos para reduzir o consumo de combustível e as emissões. Mas, para isso, o motor deve também estar concebido para este tipo de óleo; caso contrário, corre-se o risco de danos dispendiosos. Mas o óleo de motor também não pode ficar fino de qualquer forma, pelo menos não se estiver baseado em óleo. Oliver Kuhn, diretor-adjunto do laboratório de óleo da LIQUI MOLY, explica os motivos para isso.

Qual o significado de óleo de motor fluido ou espesso?

Oliver Kuhn: A viscosidade do óleo do motor é indicada com dois números, por exemplo, 5W-30. O primeiro número com "W" representa a viscosidade a baixa temperatura, ou seja, o quão fluido é o óleo a baixas temperaturas. O segundo número representa a viscosidade a alta temperatura, ou seja, o quão fluido é o óleo a alta temperatura. Aplica-se o seguinte para os dois números: Quanto mais alto for, mais viscoso é o óleo, ou seja, mais espesso é o óleo. E vice-versa: Quanto mais baixo for, mais fluido é o óleo.

Porque é que o óleo do motor fica cada vez mais fluido?

Oliver Kuhn: Isto deve-se aos fabricantes de automóveis e ao seu esforço em reduzir ainda mais as emissões dos veículos. Quanto mais fluido for um óleo de motor, menos força o motor tem de aplicar para o bombear. Isto permite otimizar o consumo de combustível. Este efeito não é enorme, mas óleo fino é um dos muitos elementos que os fabricantes de automóveis usam para aumentar a eficiência dos seus veículos. A nossa função enquanto fabricante de óleos é desenvolver óleos de motor que sejam fluidos e que, ainda assim, ofereçam a potência necessária.

Mas como é que óleo tão fino ainda consegue lubrificar corretamente?

Oliver Kuhn: Isto só é possível com a mais moderna tecnologia de lubrificantes. Os óleos de motor são compostos por dois componentes básicos: o óleo de base e os pacotes de aditivos. Se, antigamente, o óleo de base era o elemento mais importante no óleo do motor, hoje em dia, são os pacotes de aditivos. São eles que garantem não só a limpeza e a proteção anticorrosiva com óleos fluidos, como também a refrigeração e a lubrificação. O óleo de base, ou seja, o óleo propriamente dito, é então pouco mais do que apenas um líquido de suporte para os pacotes de aditivos. Os óleos modernos são compostos por quase um terço de pacotes de aditivos.

O que acontece se eu adicionar este óleo fino num motor que não foi concebido para óleos finos?

Oliver Kuhn: Se um motor não estiver concebido para óleos finos, nunca se devem usar óleos desses. Neste caso, a película de óleo é simplesmente demasiado fina para o motor. Não é resistente e rasga. Uma película de óleo rasgada aumenta fortemente o desgaste, o que pode levar a rolamentos desgastados. Isto, por sua vez, pode provocar danos secundários, ou até mesmo danos graves no motor.

O que acontece se eu adicionar óleo demasiado espesso no motor?

Oliver Kuhn: Aqui, a lubrificação propriamente dita não é tanto o problema, além de o consumo de combustível aumentar. Mas para empurrar o óleo espesso pelos pequenos canais de óleo concebidos para óleo fino, a bomba de óleo tem de trabalhar mais. A bomba pode ficar sobrecarregada e falhar. E, depois, o motor fica totalmente sem lubrificação.

Como posso saber então qual é o óleo certo para um veículo?

Oliver Kuhn: Pode consultar-se o manual do condutor, onde está indicada a especificação de óleo necessária. Ou pode usar-se o guia de óleos gratuito em www.liqui-moly.com. Bastam uns cliques para se saber quais os óleos adequados.

Quão fluido pode ainda ser o óleo do motor?

Oliver Kuhn: É uma pergunta interessante. A viscosidade mais baixa atualmente especificada para o óleo do motor é 0W-8. Já é quase um óleo monograduado. A dificuldade aqui, para além da lubrificação, é sobretudo a evaporação, pois quanto mais fluido for um óleo, mais facilmente este se evapora. No 0W-8, este equilíbrio ainda pode ser mantido. Para viscosidades ainda mais baixas, seria provavelmente necessária uma química completamente diferente, que já não se baseia em óleo. De qualquer forma, o 0W-8 está limitado ao mercado japonês. Até à data, só a organização automóvel japonesa JASO publicou especificações para 0W-8, ao contrário da Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis ACEA e da API americana. Além disso, o 0W-8 destina-se exclusivamente a motores a gasolina. Nos motores a gasóleo, 0W-20 é atualmente a viscosidade mais baixa. Isto deve-se ao aumento da carga de compressão.

Os óleos de motor tão finos são vistos sobretudo em automóveis. O que acontece com os motociclos, os veículos comerciais e barcos?

Oliver Kuhn: O trabalho de desenvolvimento para óleos de motor fluidos acontece principalmente na área dos veículos ligeiros de passageiros. Nos veículos comerciais, há também uma tendência para usar óleos mais finos, mas esta tendência é claramente mais lenta. Neste caso, há uma grande preocupação com poupanças de combustível devido ao maior desgaste. Nos motociclos, há também uma tendência para óleos mais fluidos, mas só até xW-30. Isto também está relacionado com o facto de, em muitos modelos, o óleo de motor lubrificar também a caixa de velocidades, tendo por isso de apresentar características especiais. E normalmente, nos barcos, não é necessária uma viscosidade baixa a baixas temperaturas – com menos 20 °C, são poucos os que vão para a água. Além disso, a tecnologia dos motores não se altera tão rapidamente como nos automóveis.

Tobias Gerstlauer
Leiter Öffentlichkeitsarbeit D/A/CH
Telefone:
+49 731 1420-890
Fax:
+49 731 1420-82
E-mail:
tobias.​gerstlauer@​liqui-​moly.de