Wähle ein anderes Land oder eine andere Region, um Inhalte für deinen Standort zu sehen. Select another country or region to see content for your location. Seleccione otro país o región para ver el contenido de su ubicación. Selecteer een ander land of een andere regio om de inhoud van uw locatie te zien. Vælg et andet land eller område for at se indhold, der er specifikt for din placering. Voit katsoa paikallista sisältöä valitsemalla jonkin toisen maan tai alueen. Choisissez un pays ou une région pour afficher le contenu spécifique à votre emplacement géographique. Επίλεξε μια άλλη χώρα ή περιοχή, για να δεις περιεχόμενο σχετικό με την. Scegli il Paese o territorio in cui sei per vedere i contenuti locali. 別の国または地域を選択して、あなたの場所のコンテンツを表示してください。 Velg et annet land eller region for å se innhold som gjelder der. Escolha para ver conteúdos específicos noutro país ou região. Välj ett annat land eller område för att se det innehåll som finns där. Konumunuza özel içerikleri görmek yapmak için başka bir ülkeyi veya bölgeyi seçin. Chọn quốc gia hoặc khu vực khác để xem nội dung cho địa điểm của bạn

Close




Lay-off porque nada funciona ou nada funciona por causa do lay-off?

O diretor da LIQUI MOLY, Ernst Prost, fala sobre a economia em tempos de crise do coronavírus

Caros e caras colegas,

É claro que o coronavírus foi violento, tão violento como uma bala de canhão ou uma bomba. O que se faz numa situação destas? Sou apologista da retaliação, da revolta, do combate, do lutar com todas forças contra estas investidas. O que estou a ver, não sempre, mas com demasiada frequência? Precisamente o contrário. Aceitamos, de forma por vezes fatalista, o que aí vem, recebemos os programas estatais de assistência e, depois do lay-off, vamos de férias.

Nada funciona por causa do coronavírus? Ou nada funciona por causa do lay-off? É claro que quando tudo fecha para férias, nada mais funciona. Mas isso tem pouco a ver com o coronavírus. Os operários contam-me que não recebem mercadorias porque as fábricas ainda estão fechadas ou estão em lay-off e, logo, não conseguem cumprir as suas encomendas. As editoras lamentam-se que já não recebem encomendas para anúncios, mas entrar em contacto com elas é impossível. Os nossos fornecedores não fornecem porque, assim como assim, nada funciona e, por isso, falta-nos por vezes matéria-prima e materiais de embalagem. Algo não está bem aqui. Claro que, quando é mais barato pôr a equipa em lay-off reduzindo assim as despesas com salários e continuar a ser minimamente rentável, não para trabalhar, mas sim para existir, é evidente que o coronavírus é uma mera fachada destinada a esconder a própria inércia.

Há quantos anos e décadas é que a nossa economia funciona bem? Sempre a crescer, marcada pelo crescimento, pelo aumento dos salários e por lucros quase automaticamente elevados? Ouve-se por aí que "nada é mais difícil de suportar do que uma série de dias bons". E mais difícil ainda é passar do êxito, do bem-estar e do conforto a que muito depressa nos habituamos para lutas, trabalho de escravo e "um pão mais pequeno". Em muitas empresas e equipas, a bomba rebentou e desfez tudo. Nelas ainda se luta, como se tem de lutar, para sobreviver. Noutros setores e empresas, entendeu-se o lay-off e o teletrabalho como férias adicionais ou ano sabático, em função da qualidade com o o Estado, através dos nossos sistemas sociais, bombeou a água que chega à cabeça de alguns e sugou o dinheiro dos contribuintes. Quando posso voltar a ir de férias e quando regressa a liga alemã de futebol? É esta a preocupação de alguns enquanto os outros têm de ir ao gestor de insolvências. Mas agora, as investidas atingem um número cada vez maior de pessoas e chegam também àqueles que, de forma relativamente cómoda numa ilha aparentemente segura, continuaram a exercer a sua atividade num estilo tão relaxado como de costume. Primeiro, foram os cabeleireiros, os cafés, os hotéis, mas agora são também os fabricantes automóveis, outrora cheios de energia, e infelizmente também os seus fornecedores. A seguir ao lay-off vêm despedimentos coletivos. Os bancos observam e cortam o crédito. Os construtores acabam eventualmente por perder o emprego.

Pois é, a economia não acontece numa bolha qualquer. Não! A economia somos todos nós, os 83 milhões de Alemães. E dependemos todos uns dos outros.

Made in Germany Uma marca, de certa forma uma prova de qualidade excecional e inovação. Para mim também uma garantia de fiabilidade, pontualidade, ambição, zelo, responsabilidade e de capacidade, quando necessário, para dar mais e trabalhar mais arduamente do que em tempos normais. As crises não se enfrentam com lay-offs, mas sim e apenas com mais trabalho. São precisas qualidades para não se afundar. E nós temos essas qualidades. Basta usá-las. É assim que ultrapassaremos esta crise, a próxima e a que vier a seguir à próxima, pois as crises são tão certas como o amém na igreja.

Com os meus melhores cumprimentos,

 

Ernst Prost


Portugal

Europa

Bosna i Hercegovina
Czechia
Danmark
Deutschland
Eesti
España
France
Great Britain
Hrvatska
Ireland
Italia
Kosovë
Latvija
Lietuva
Magyarország
Nederland
Norge
Österreich
Polska
Portugal
Schweiz
Slovensko
Srbija
Suomi
Sverige
Türkiye
Ελλάδα
Македонија
Монтенегро
Россия
Србија
Украина

Ásia e Pacífico

Australia
Brunei
Indonesia
Malaysia
Myanmar
New Zealand
Pakistan
Singapore
Thailand
Việt Nam
Казахстан
Киргизия
ישראל
ایران
中国
日本
대한민국

Americas

Argentina
Bolivien
Chile
México
Paraguay
Perú
Trinidad & Tobago
Uruguay

Estados Unidos, Canadá e Porto Rico

Canada
USA

África, Médio Oriente e Índia

South Africa
Uganda