• 13/04/2021
  • Corona-Krise

O carregamento desliza para a frente, mas o que acontece na parte de trás?

Caros jornalistas e jornalistas, redatores e redatores,

O nosso relatório trimestral, com números bastante bons, despertou a curiosidade de muitos de vós. Qual é o significado destes números? O que acontece nos bastidores e no nosso dia a dia?
Gostaria de responder a estas perguntas de imediato e de forma progressiva, sem utilizar o Coronavírus, as falhas da pandemia, os gestores federais de crise ou o Laschet-Söder uma única vez.
Ouço desculpas suficientes todos os dias. Infelizmente, cada vez mais dos nossos fornecedores. Isto leva-nos ao primeiro problema: pouca matéria-prima, em todo o país. Os nossos tanques de armazenamento estão vazios. Gastamos tudo o que produzimos e esprememos cada gota de óleo dos nossos tubos para podermos continuar a entregar. "Force Majeur" (força maior) é o que o nosso departamento de compras recebe quando perguntamos as datas de entrega. Enquanto que, noutros casos, viajamos com 5000 t de carga do Mar do Norte para a nossa fábrica de Saarhafen, em Dillingen, agora percorremos as estradas e autoestradas com camiões de 30 t. Pouco rentável, caro e nada amigo do ambiente. Matérias-primas, materiais de embalagem, recipientes e tambores, fechos, caixas de cartão e filmes. Falta tudo. Para alguns, o confinamento teve, evidentemente, um efeito fulminante... As expansões e reparações de instalações estão a ser colocadas em segundo plano porque as oficinas artesanais e as empresas de montagem também se queixam da falta de peças e materiais sobresselentes. 
O que está a acontecer? Certamente que esta dobra na mangueira de abastecimento não se deve aos poucos navios presos no Canal de Suez durante alguns dias. Prefiro pensar que uma ou outra empresa ainda prefere ficar no sofá, ceder ao "home office" e receber subsídios de lay-off para poupar custos em vez de arregaçar as mangas. Lá se vai a tragédia da aquisição que estamos a sofrer neste momento. 
E o que estamos a receber tornou-se extremamente caro. A explosão de preços abalou o nosso desempenho – não são raros os aumentos de preços entre 10% a 20% dos nossos fornecedores "a partir de amanhã“... Contamos com mais 20 milhões de euros de custos adicionais, visíveis no ano em curso, apenas para as nossas compras de material na fábrica. É claro que estamos a tentar transferir estes aumentos de custos para os mercados através de aumentos de preços. Mas tentem fazer isso em países cujas economias estão no fundo do poço e cuja inflação está a atingir o máximo. 
Por falar em exportações: realizamos dois terços dos nossos negócios no estrangeiro. Com aprox. 150 países.
Sabem o que está a faltar neste momento? Contentores normais. Como todos pensam numa crise, depois não há contentores marítimos e também não há possibilidades de carga suficientes. Tudo esgotado. Todos ocupados, todos em alto mar entre a Ásia e a Europa. Crise? Comprar até cair. É assim que está. Por vezes, esperamos semanas e meses até nos serem novamente atribuídas oportunidades de frete para o nosso negócio de exportação para o estrangeiro - independentemente da direção. Também não tem graça. 
Com uma palavra: é escassa a entrada pela frente e lenta a saída pelas traseiras. No meio, trabalhamos em 3 turnos a fim de alcançar os nossos objetivos, apesar das circunstâncias adversas, para nos mantermos no caminho do sucesso e para não nos deixarmos abater. Digo com frequência: "A fraqueza do nosso adversário é a nossa força". Não só no desporto, mas também nos negócios, só se é tão bom como o nosso adversário, a concorrência, nos permite ser. Mas, de momento, só somos tão bons quanto os nossos fornecedores o tornam possível através de um fornecimento fiável de bens.... Também não pensei que algo do género pudesse voltar a acontecer. É um pouco absurdo quando se está no ataque e os abastecimentos estão a esgotar-se. Mas enquanto não descobrirmos nenhum poço de petróleo em Ulm ou Saarlouis, teremos apenas de lidar com as circunstâncias e continuar.
Chamamos a isto competência de compensação de incompetência. Excelente expressão. Li-a algures no outro dia. No setor da construção, é suposto ser semelhante - foi o que ouvi dizer.
Desejo a todos um bom dia. Mantenham-se saudáveis e alegres.

Com os melhores cumprimentos, 
O vosso


Ernst Prost
Diretor