Wähle ein anderes Land oder eine andere Region, um Inhalte für deinen Standort zu sehen. Select another country or region to see content for your location. Seleccione otro país o región para ver el contenido de su ubicación. Selecteer een ander land of een andere regio om de inhoud van uw locatie te zien. Vælg et andet land eller område for at se indhold, der er specifikt for din placering. Voit katsoa paikallista sisältöä valitsemalla jonkin toisen maan tai alueen. Choisissez un pays ou une région pour afficher le contenu spécifique à votre emplacement géographique. Επίλεξε μια άλλη χώρα ή περιοχή, για να δεις περιεχόμενο σχετικό με την. Scegli il Paese o territorio in cui sei per vedere i contenuti locali. 別の国または地域を選択して、あなたの場所のコンテンツを表示してください。 Velg et annet land eller region for å se innhold som gjelder der. Escolha para ver conteúdos específicos noutro país ou região. Välj ett annat land eller område för att se det innehåll som finns där. Konumunuza özel içerikleri görmek yapmak için başka bir ülkeyi veya bölgeyi seçin. Chọn quốc gia hoặc khu vực khác để xem nội dung cho địa điểm của bạn

Diese Box wird angezeigt, da die Seitensprache nicht mit einer den Browsersprachen übereinstimmt.

Close



"Lemingues paralisados?"

O diretor da LIQUI MOLY, Ernst Prost, sobre o instinto de grupo e os revolucionários

Caros e caras colegas,

 

Uma coisa não é certa ou errada só porque muitas ou poucas pessoas fazem assim ou assado - ou totalmente diferente... O instinto de grupo, a opinião pública e uma visão do mundo prevalecente não são necessariamente úteis para avaliar aquilo que está certo ou errado. "A voz solitária no deserto" é muitas vezes ouvida e homenageada, mas só depois de ter sido ridicularizada... Aliás, o mesmo se aplica aos inventores... O ser humano lida mal com a novidade. Prefere os hábitos às mudanças. "Nunca tínhamos feito isto assim antes!", "isto não funcionou antes!", "ninguém faz isto!" – Estas são as frases que costumam travar a novidade e a diferença, referindo-se ao passado, às opiniões e às maiorias. Mas se toda a gente fizer sempre o mesmo, a variedade e a diversidade irão sofrer com a falta de imaginação e a monotonia. As mudanças, as renovações e as melhorias necessárias também não existem sem clima de otimismo e coragem... Por isso, antes diversidade do que simplicidade! Isto não dá, não existe! E discutir durante muito tempo também não faz sentido.

 

O voz solitária no deserto é uma imagem bonita, assim como o peixe que nada contra a corrente. Também dizemos "Só os peixes mortos nadam a favor da corrente". Experimentar coisas faz parte de uma cultura empresarial dinâmica. Mais vale entrar numa aventura e arriscar-se a errar do que nem sequer tentar. O mundo está a mudar. Mais vale acompanhá-lo se não queremos ficar para trás. Inúmeras empresas que recusaram o progresso encontram-se do lado negro da história da economia. Também NÓS temos sempre de nos reinventar. Percorrer novos caminhos. Experimentar coisas novas. É também desta forma que nos conseguimos manter altamente previsíveis – como empresa que tem sempre uma ideia nova... Leiam a nossa última edição de fotografias e histórias para ficarem a perceber o que quero dizer.

 

Não precisamos de nos comportar como revolucionários todos os dias (na verdade, por que não?). Mas não me importaria de gerir um pouco menos e criar mais. Todos nós somos responsáveis por isso, e não só o departamento de pesquisa e desenvolvimento, ou os políticos e os ministros. Afinal, trata-se do nosso futuro a todos. E quem se preocupa com o seu futuro deveria afastar as preocupações e desenvolver ideias e impulsos sobre como podemos, todos juntos, dar a forma que imaginamos a esse futuro. Como empresa, como sociedade e como economia. Não gosto nada de sobrolhos franzidos cheios de preocupação a lamentarem-se sobre o futuro tão incerto. O medo paraliza. E as paralisias impedem que se saia do sítio.

 

NÓS continuamos a ser bem-sucedidos e pomos a mão na massa!

 

Melhores cumprimentos,

Ernst Prost

 


Portugal