Wähle ein anderes Land oder eine andere Region, um Inhalte für deinen Standort zu sehen. Select another country or region to see content for your location. Seleccione otro país o región para ver el contenido de su ubicación. Selecteer een ander land of een andere regio om de inhoud van uw locatie te zien. Vælg et andet land eller område for at se indhold, der er specifikt for din placering. Voit katsoa paikallista sisältöä valitsemalla jonkin toisen maan tai alueen. Choisissez un pays ou une région pour afficher le contenu spécifique à votre emplacement géographique. Επίλεξε μια άλλη χώρα ή περιοχή, για να δεις περιεχόμενο σχετικό με την. Scegli il Paese o territorio in cui sei per vedere i contenuti locali. 別の国または地域を選択して、あなたの場所のコンテンツを表示してください。 Velg et annet land eller region for å se innhold som gjelder der. Escolha para ver conteúdos específicos noutro país ou região. Välj ett annat land eller område för att se det innehåll som finns där. Konumunuza özel içerikleri görmek yapmak için başka bir ülkeyi veya bölgeyi seçin. Chọn quốc gia hoặc khu vực khác để xem nội dung cho địa điểm của bạn

Diese Box wird angezeigt, da die Seitensprache nicht mit einer den Browsersprachen übereinstimmt.

Close



"Desemprego em massa? Pobreza em massa? Valas comuns?"

O diretor, Ernst Prost, no seu e-mail de fim de semana, fala da situação e do simbolismo da cidade de Nova Iorque

Caros(as) co-empresários(as),

Não, não estamos a falar de um país qualquer em África, mas de Nova Iorque. Uma cidade fantástica: a Estátua da Liberdade, a Broadway, Manhattan – Nova Iorque é o símbolo do mundo livre, da cultura, da arte, da tolerância e da democracia. Para mim, simboliza muito mais a união, a resiliência e a capacidade de se manter sempre de pé e de continuar a lutar – independentemente das adversidades que se abatem sobre ela. As valas comuns não combinam com esta cidade. E, no entanto, elas estão lá. Assim como os hospitais sobrecarregados, as unidades hospitalares ambulatórias nos parques e as empresas de transporte refrigerado transformadas em morgues. Nova Iorque: a cidade que nunca dorme debaixo de uma mortalha gigante? Inimaginável. Inacreditável. Doloroso.

Temos clientes fantásticos nesta cidade incrível, amigos de negócio que mantêm a nossa bandeira bem alta, mesmo nesta situação catastrófica. Enquanto leio sobre valas comuns, recebo e-mails dos nossos clientes, mas também dos nossos colegas, não só em Nova Iorque como em todos os EUA, que continuam a trabalhar com coragem, disciplina e, espero eu, com todo o cuidado. E, no meio de todo este caos, chegam-me até notícias de êxito desta atormentada cidade. Às vezes, não se aguenta...tanta tristeza, nem tanta alegria. Alegria porque vejo como a nossa família Liqui Moly funciona e está a resistir: nos EUA e em todo o mundo!

Nova Iorque vai também ultrapassar isto. Se há uma cidade que consegue, é Nova Iorque. É isso que penso e que espero. Aconteceu no outono de 1979. Tinha 22 anos e estava em viagem de negócios no Canadá e nos EUA. A minha última paragem foi Nova Iorque, onde fui assaltado e roubado… 

A culpa foi minha, mas desde então, nunca mais voltei a Nova Iorque...Fiquei sem vontade. Quando tudo isto passar, vou voltar a Nova Iorque. E rezar à Estátua da Liberdade. Por fim, irei visitar os nossos clientes e colegas. :) 

Bom fim de semana

Melhores cumprimentos,

Ernst Prost


Portugal