Wähle ein anderes Land oder eine andere Region, um Inhalte für deinen Standort zu sehen. Select another country or region to see content for your location. Seleccione otro país o región para ver el contenido de su ubicación. Selecteer een ander land of een andere regio om de inhoud van uw locatie te zien. Vælg et andet land eller område for at se indhold, der er specifikt for din placering. Voit katsoa paikallista sisältöä valitsemalla jonkin toisen maan tai alueen. Choisissez un pays ou une région pour afficher le contenu spécifique à votre emplacement géographique. Επίλεξε μια άλλη χώρα ή περιοχή, για να δεις περιεχόμενο σχετικό με την. Scegli il Paese o territorio in cui sei per vedere i contenuti locali. 別の国または地域を選択して、あなたの場所のコンテンツを表示してください。 Velg et annet land eller region for å se innhold som gjelder der. Escolha para ver conteúdos específicos noutro país ou região. Välj ett annat land eller område för att se det innehåll som finns där. Konumunuza özel içerikleri görmek yapmak için başka bir ülkeyi veya bölgeyi seçin. Chọn quốc gia hoặc khu vực khác để xem nội dung cho địa điểm của bạn

Diese Box wird angezeigt, da die Seitensprache nicht mit einer den Browsersprachen übereinstimmt.

Close



Fazer um esforço

O diretor da LIQUI MOLY, Ernst Prost, fala sobre pôr a mão na massa em vez de esperar sentado

Caras colaboradoras e caros colaboradores,

 

Já é tudo suficientemente complicado. Fácil e sem problemas já não é possível hoje em dia. A nossa atividade e o nosso trabalho são cada vez mais dificultados por todo o tipo de obstáculos burocráticos e regulamentares. Não precisamos de complicar ainda mais as coisas, de fazer muito barulho por nada ou de fazer uma tempestade num copo de água. Concentrarmo-nos no essencial, na nossa atividade, nos nossos clientes e na nossa marca, e por isso na nossa existência e sobrevivência. – De uma forma geral, é isto que espero de nós, e não só durante a crise do coronavírus. Não nos podemos desviar deste caminho!

A maior oportunidade de uma estratégia vencedora coroada de êxito é uma implementação coerente... O melhor plano não adianta se apenas se trabalhar na sua concretização a meio gás. É necessário pensar E agir. Para isso, é preciso uma certa resistência, e até mesmo uma tenacidade saudável. Não desistir, nunca, mesmo quando surgem dificuldades! E neste caso, não se pode mesmo. Manter a determinação e lutar! Mas, para isso, é preciso estar-se convencido das próprias ideias e visões, do seu trabalho e da sua missão. Tem de se acreditar naquilo que se faz… - e, de preferência, também em si próprio. Está tudo a correr bem na nossa casa, mas para continuar neste caminho, temos de trabalhar, criar e penar. Esperar e aguardar, ou só falar não é definitivamente suficiente. Temos de contrariar as profundas transformações e revoluções que surgem à nossa volta. Ignorar e esperar que tudo continue como sempre foi (ou melhore sozinho) é infantil. O melhor é analisar de forma cru o que se passa (ou o que corre mal) e, depois, otimizar, fazer e pôr a mão na massa de forma coerente. Temos de analisar os erros de forma pormenorizada e eliminá-los. – Sem recriminações, mas sempre com vista a melhorias.

A nossa evolução macroeconómica e empresarial revela não só forças, mas também fraquezas e perigos – É precisamente aqui que temos de pôr a mão na massa e melhorar! Não é ignorando os problemas que eles desaparecem. E não é com velhos problemas que vamos a algum lado. A mudança faz parte da vida, quer concordemos com isso, quer não concordemos. E quem não se adapta aos sinais dos tempos acaba esquecido… Nós temos uma mistura saudável de "velhas raposas" e "novos rebentos". Rotina e despertar. Experiência e novidade. Adoro a combinação que temos na nossa equipa.

Se queremos fazer algo de ainda melhor para nós, temos primeiro de fazer o que é necessário: gerar volumes de negócios, aumentar receitas, controlar custos, e desenvolver conceitos e estratégias adaptados ao futuro. Perante toda a burocracia que nos cai em cima vinda do exterior e esforços semelhantes que nos impusemos a nós próprios, nunca nos podemos esquecer que a empresa só vive se fizermos o nosso trabalho de forma animada, inteligente e enérgica.

Quando só lidamos com conselhos económicos, responsáveis por conformidade, regulamentações básicas relativas à proteção de dados e outros temas semelhantes e, além disso, ainda inventamos programas de ocupação escolhidos por nós, ficamos sem tempo para o tão importante trabalho com produtos, clientes, processos de produção, fornecedores e concorrentes. Por isso, antes de nos dedicarmos a quaisquer "exercícios de diversão" voluntários e de nos atirarmos a novos "feitos épicos", temos de equipar da melhor forma a nossa casa e melhorar radicalmente as coisas que não correm bem para dominarmos a nossa atividade principal. Isso já nos dá trabalho suficiente. É também por isso que somos avaliados e não pela quantidade de barulho de fundo que nós produzimos, e que não nos faz avançar nem um centímetro. Não somos um grupo, nem uma repartição pública. Somos um aglomerado potente de pessoas!

Quando leem o jornal, deparam-se sempre (também em alturas em que não há crises) com manchetes como: "Redução de pessoal – para mais rentabilidade" ou "Supressão de postos de trabalho devido a restruturação". O que acontece na realidade é que se ignoraram os desenvolvimentos ou que se adormeceu à sombra da bananeira em vez de, atempadamente, se dar a volta à situação e de se fazer um esforço. Tudo isto não vai acontecer connosco, por isso é que digo "Evitem o mal desde o início!". Não podemos abrandar os nossos esforços e o nosso desempenho, nem numa altura problemática nem numa altura de êxitos! É mais fácil ganhar uma competição com músculos de aço do que com exaustão e sem vontade. Em forma e resilientes a crises: é assim que eu nos vejo.

Quando penso em garantir o futuro êxito da nossa empresa, vem-me à cabeça o seguinte pensamento: há coisas que sabemos que sabemos. Depois, há coisas que sabemos que não sabemos. E, por fim, há coisas que não sabemos que não sabemos. Surpresa!

Ou por outras palavras: só vemos o que conhecemos. E de certeza que há coisas que não conhecemos e que também não sabemos. Por isso, como nos devemos comportar? A resposta é muito simples. Temos de nos manter despertos todos os dias, concentrar-nos no essencial, resolver o trabalho e não entrar em joguinhos desnecessários. Temos de continuar a ser modestos e ver o que se pode fazer. Ver onde a viagem nos leva, reagir de forma coerente a mudanças sem as recear, considerando-as como uma oportunidade. E nunca cometer o erro deste asno que vai andar em cima de gelo porque tudo lhe está a correr demasiado bem…

 

Com os meus melhores cumprimentos,

Ernst Prost

 


Portugal

Europe

Bosna i Hercegovina
Bŭlgariya
Czechia
Danmark
Deutschland
Eesti
España
France
Great Britain
Hrvatska
Ireland
Italia
Kosovë
Latvija
Lietuva
Magyarország
Nederland
Norge
Österreich
Polska
Portugal
Schweiz
Slovensko
Srbija
Suomi
Sverige
Türkiye
Ελλάδα
Македонија
Монтенегро
Россия
Србија
Украина

Asia Pacific

Australia
Brunei
Indonesia
Malaysia
Myanmar
New Zealand
Pakistan
Singapore
Thailand
Việt Nam
Казахстан
Киргизия
ישראל
ایران
中国
日本
대한민국

Americas

Argentina
Bolivien
Brasil
Chile
México
Paraguay
Perú
Trinidad & Tobago
Uruguay

Africa, Middle East and India

South Africa
Uganda

The United States, Canada and Puerto Rico

Canada
USA